Mais filmes

Continuando com a série de filmes assistidos durante o recesso em Porto Alegre, mais algumas resenhas breves. Pretendo fazer disso um costume, basicamente para que eu me lembre de todos os filmes a que assisti ao longo do ano.

(500) Days of Summer: comédia romântica que tenta não parecer uma comédia romântica. Por mais que entenda e concorde plenamente com a idéia geral da história, é um filme meio chato que vale mais pela trilha e a Zooey Deschanel. 6/10

The Blind Side: adivinhem? Melodrama americano baseado em uma história real. E mais uma vez, futebol americano. A parte mais legal, neste caso, é se tratar de uma história bem atual, já que Michael Oher, o personagem principal, estreou este ano como rookie no Baltimore Ravens. 7/10

Avatar: o único da lista a que assisti no cinema, e não faria sentido fazê-lo de outra maneira. A história é, como muitos já disseram, Pocahontas (ou Dança com Lobos, ou O Último Samurai) no espaço. Mas este é daqueles casos em que o aspecto técnico, a experiência visual, já basta. Saí do cinema imaginando que foi assim que as pessoas devem ter se sentido ao ver 2001 ou Star Wars pela primeira vez. Além de ter passado de cético para ávido defensor do 3D. 8/10

Push: é exatamente o que vocês podem imaginar pela história e atores envolvidos. Ou seja, não é só no nome que ele lembra Jumper. Mas, querendo um filme de ação bobo para se divertir, uma ótima pedida. 6/10

Primer: depois desta tirinha do XKCD, impossível não ficar curioso para ver este filme independente de ficção-científica. Também por causa dela, já imaginava um tremendo mindfuck, mas confesso que não achei tão complicado assim. Claro, não espere uma história com começo, meio e fim, nem mesmo que tenha só uma interpretação. Mas a impossibilidade de se entender 100% do que está acontecendo ou sendo falado é parte importante de ser um filme tão empolgante. 8/10

Kobe Doin’ Work: quem gosta um pouquinho só de esporte é obrigado a assistir a esse filme. E quem se interessa minimamente por ver o quanto alguém pode ser apaixonado e dedicado àquilo que faz, também. Uma aula de tudo. 9/10

Where the Wild Things Are: devia ser um curta de 10 ou 15 minutos. A direção de arte é realmente fantástica, mas ao estender a história, Spike Jonze e Dave Eggers criaram um filme enfadonho e sem emoção. 5/10

Invictus: pior filme do Clint Eastwood desde o Space Cowboys. Personagens unidimensionais (o que é o fim da picada em filme baseado numa história real), atuações em piloto automático e aparentemente nenhum interesse pelo assunto principal do filme, que é o rugby. 4/10

Anúncios

Um comentário sobre “Mais filmes

  1. Lembrei que faltou colocar o seguinte, antes do (500) Days of Summer:

    Zombieland – comédia de humor negro que funciona muito bem até a hora da moral, no final. E espero que o Jesse Eisenberg pare de fazer sempre o mesmo papel. Mas já valeria o ingresso pelo cameo do Bill Murray. 7/10

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s